Home » Automobilismo » F1 Hungria: Vettel vence a prova ampliando a distância de Hamilton no campeonato

F1 Hungria: Vettel vence a prova ampliando a distância de Hamilton no campeonato

Sebastian Vettel venceu o Grande Prêmio da Hungria disputado neste domingo (30/07) e comemorou sua 46ª vitória da carreira na principal categoria do planeta. O companheiro na equipe Ferrari, Kimi Raikkonen, terminou em segundo e Valtteri Bottas da Mercedes completou o pódio com a terceira posição. Felipe Massa não participou do treino classificatório e da corrida por problema de saúde.

Com a vitória, Vettel se distanciou ainda mais do vice-líder Lewis Hamilton, que terminou a corrida na quarta posição. Vettel somou 202 pontos e Hamilton, 188 pontos. O melhor lance da corrida foi uma ordem da Mercedes para o piloto Valteri Bottas para dar passagem para Hamilton, que devolveu a posição no final da prova.

Leia mais…

A corrida na Hungria começou frenética, com Vettel, Raikkonen e Bottas mantendo as posições de largada. Porém do quarto lugar para trás muitas mudanças, começando por Hamilton, o quarto no grid, que perdeu posições para os dois pilotos da RBR, Max Verstappen e Daniel Ricciardo.

Na quarta curva depois da largada, Ricciardo superou o companheiro Verstappen, que não gostou nada de ser ultrapassado. E na curva seguinte, o garoto prodígio da RBR se defendeu e propositalmente jogou sua RBR na lateral do carro do Ricciardo que acabou abandonando a corrida com o radiador de sua RBR furado. Como resultado, Verstappem acabou sendo punido pelos comissários com o acréscimo de 10 segundos em sua parada no pit.

Como Hungaroring é uma pista curta e travada, as ultrapassagens são escassas, reservando as emoções só para a largada. A partir da segunda volta a corrida seguiu sem disputas, tornando a prova húngara chata e sem nenhuma emoção até a volta 44. Já com a primeira janela de pit concluída, as posições dos líderes eram as mesma depois da largada com Vettel, Kimi, Bottas e Hamilton,  que só voltou para a quarta posição depois que o Verstappen cumpriu a punição pela manobra contra Ricciardo na primeira volta da prova.

Nesta etapa da corrida os dirigentes da Mercedes perceberam que os seus carros estavam mais rápidos que as Ferraris. Hamilton argumentou com a equipe que estava mais rápido que Bottas e que seu companheiro deveria deixá-lo passar. Pedido atendido, a Mercedes solicitou que Bottas desse passagem para Hamilton. O finlandês cumpriu a ordem sem dificuldade. Hamilton partiu, então, na busca de Raikkonen.

Faltando 20 voltas para o final da corrida e sem que o inglês conseguisse superar Kimi Raikkonen os dirigentes da Mercedes disseram pelo rádio que se faltando cinco voltas para o final Hamilton não superasse a Ferrari, deveria devolver a posição para o companheiro Bottas. Hamilton acatou passivamente a ordem abdicando do terceiro lugar e do pódio.

Com a decisão, Lewis Hamiton, que chegou na Hungria com apenas um pontinho de desvantagem para o líder do campeonato Sebastian Vettel, saiu de Budapest com 188 pontos, uma desvantagem de 14 pontos, contra os 202 do alemão Vettel. E quem ajudou a acabar com a monotonia da corrida húngara foi o espanhol Fernando Alonso que com a sua experiência superou a Toro Roso do compatriota Carlos Sainz, levando sua McLaren-Honda à sexta posição. De tão feliz comemorou na Hungria seu aniversário de 36 anos  e o sexto lugar.

Alonso promoveu uma situação inusitada. Ao lado do parque fechado colocou uma pintura dele tomando sol em uma praia. E não se fez de rogado, pegando uma cadeira de praia e sentando ao lado da imagem, imitando a pintura. O estranho foi não falar do brasileiro Felipe Massa na prova, que assistiu a corrida em sua casa em Mônaco, ao lado do filho Filipinho. No sábado (29/07), antes da classificação não se sentiu bem e foi para o ambulatório no circuito. Foi constatada uma virose que impediu que o brasileiro participasse da corrida. Correu em seu lugar na Williams o piloto britânico Paul di Resta que abandonou a prova.

A última vez que o Brasil ficou sem um representante em uma corrida da Fórmula 1 aconteceu há 35 anos, quando Nelson Piquet, Chico Serra e Raul Boesel não participaram do GP de San Marino, por um boicote das equipes na época. Boa parte dos pilotos ficou fora da corrida por conta de uma disputa das equipes envolvendo uma política entre a Associação dos Construtores da Fórmula 1 (FOCA) e a FISA, entidade reponsável pela regulamentação da categoria até então.

A próxima etapa, o GP da Bélgica, acontece no dia 27 de agosto em Spa-Francorchamps.

CLASSIFICAÇÃO DA CORRIDA

CLASSIFICAÇÃO DE PILOTOS NO CAMPEONATO

CLASSIFICAÇÃO DE CONSTRUTORES NO CAMPEONATO

Silvio Porto

Silvio Porto é um jornalista que estreou na extinta Revista Afinal como repórter fotográfico, passou pelas Revistas Placar e Quatro Rodas onde conquistou prêmios importantes. Viajou pelo mundo cobrindo futebol, os principais salões do automóvel (Paris, Frankfurt, Detroit e São Paulo), além de Fórmula 1 e os lançamentos de carros e motos. Fez parte do quadro de jurados do Prêmio “Carro do Ano”, da Revista Auto Esporte e há oito anos é um dos jurados do Prêmio Imprensa Automotiva realizado pela Abiauto – Associação Brasileira da Imprensa Automotiva. Hoje é diretor e editor do Portal MotorCar (www.motorcar.com.br) e do Blog do Silvio Porto (www.silvioporto.com.br).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UA-58373095-2