Home » Automobilismo » GP do Brasil de F1: São Paulo pode perder para o Rio de Janeiro

GP do Brasil de F1: São Paulo pode perder para o Rio de Janeiro

A Liberty, empresa que organiza a Fórmula 1, está de olho no Rio de Janeiro. Querem levar o circo, da maior categoria do automobilismo, de São Paulo para a Cidade Maravilhosa. Foram enviadas cartas oficiais para o presidente Jair Bolsonaro, para o governador do estado, Wilson Witzel, e para o prefeito, Marcelo Crivella.

Nas cartas enviadas para Witzel e Crivella, Sean Bratches, diretor de Operações Comerciais da F1, escreveu que gostaria de “conversar mais sobre o tema com seus secretários e diretores, em pessoa ou por telefone”. Já no documento enviado ao presidente, assinado por outro executivo, o pedido é para a colaboração para manter a prova em São Paulo ou levá-la para o Rio.

E parece que o interesse em levar o GP para o Rio de Janeiro é bem grande, pois a empresa que construiu seis dos circuitos usados atualmente na F1, a Tilke, está disposta a desenvolver, construir e a operar o novo circuito brasileiro a partir de 2021. As terras, doadas pelo Exército, ficam em Deodoro, perto do Parque Olímpico. Mas precisa ainda da votação de deputados e senadores para oficializar a doação.

Falando em Fórmula 1, na manhã desta sexta-feira (26/04) os carros da F1 participaram do treino livre para o GP do Azerbaijão que acontece neste domingo (28/04). E o primeiro treino foi suspenso depois que George Russell passou com sua Williams por cima de um bueiro solto e este danificou o assoalho do FW42.

Claire Williams descreveu a situação como “inaceitável”: “Não é o que você esperaria de um circuito de Fórmula. As tampas de drenagem devem ser soldadas. Vamos discutir com a direção de prova”.

O piloto Kimi Raikkonen disse que a FIA é quem deve assumir a culpa pelo incidente com a tampa de bueiro. A entidade explicou que a tampa se soltou devido a uma quebra de um dos dispositivos que prendem a peça ao buraco. Raikkonen rebateu: “Não deveria ser assim. Cabe à FIA garantir que a pista esteja como deveria ser”. “Felizmente ninguém se machucou, mas obviamente destruiu o dia de todos. Também para as pessoas que vieram assistir aqui foi longe de ser ideal”.

Os carros voltaram para a pista no segundo treino e Charles Leclerc da Ferrari fez o melhor tempo, 1min42seg872. Sebastian Vettel foi o segundo com 1min43seg196, seguido por Lewis Hamilton da Mercedes (1min43seg541) e Max Verstappen da RBR (1min43seg793).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Silvio Porto

Silvio Porto é um jornalista que estreou na extinta Revista Afinal como repórter fotográfico, passou pelas Revistas Placar e Quatro Rodas onde conquistou prêmios importantes. Viajou pelo mundo cobrindo futebol, os principais salões do automóvel (Paris, Frankfurt, Detroit e São Paulo), além de Fórmula 1 e os lançamentos de carros e motos. Fez parte do quadro de jurados do Prêmio “Carro do Ano”, da Revista Auto Esporte e há oito anos é um dos jurados do Prêmio Imprensa Automotiva realizado pela Abiauto – Associação Brasileira da Imprensa Automotiva. Hoje é diretor e editor do Portal MotorCar (www.motorcar.com.br) e do Blog do Silvio Porto (www.silvioporto.com.br).