Home » Automóveis » Ford Ranger 2020: aposenta a versão flex, mas traz várias outras novidades no design e tecnologia sem aumentar preço.

Ford Ranger 2020: aposenta a versão flex, mas traz várias outras novidades no design e tecnologia sem aumentar preço.

A Ford Ranger 2020 traz um visual renovado, com elementos que tornam o seu estilo ainda mais forte e equilibrado. Vários detalhes foram refinados para aprimorar a funcionalidade e o conforto da picape, ao mesmo tempo em que destacam o seu caráter inovador e tecnológico. As principais novidades são vistas na grade dianteira e no para-choque dianteiro, nos faróis, faróis de neblina, nas rodas e no acabamento interno.

A nova grade dianteira de duas barras com o oval Ford no centro segue o DNA de design da marca. Ela valoriza as linhas horizontais, em harmonia com os demais componentes da carroceria. “Nesse novo design tudo gira em torno das duas barras horizontais com o oval Ford centralizado, ligada aos faróis para criar um conjunto horizontal e equilibrado”, diz Adília Affonso, supervisora de Design da Ford América do Sul.

Os faróis com máscara negra ganharam um novo conjunto ótico de formas esculturais, incluindo luzes diurnas de LED e xênon na versão Limited. As rodas também são novas, com 17 polegadas na versão XLS e 18 polegadas nas versões XLT e Limited, esta última com acabamento cinza perolizado e diamantado exclusivo. A antena foi deslocada da frente para a parte traseira do teto e conta com GPS integrado. Os adesivos 4×4 também ganharam novo grafismo, usando a logotipia global da marca.

Já vem na versão flex que deixa de ser oferecida na linha, como reflexo da baixa procura no mercado. O segmento de picapes flex vem caindo progressivamente e hoje representa apenas 8% das vendas. “Para o cliente da flex nós oferecemos hoje a versão XLS Diesel, que é uma opção mais inteligente com preço próximo das versões flex da concorrência”, completa Fabrizzia Borsari, gerente de Marketing Produto da Ford. “Não por acaso, a Ranger XLS é líder disparada na sua faixa de mercado.” A versão XLS ocupa a faixa intermediária da linha, mas é a que parte do valor mais acessível: a Ranger XLS 2.2 4×2 automática sai por R$128.250. A XLS 2.2 com tração 4×4 custa R$147.520 com transmissão manual e R$154.610 com transmissão automática – mesmos preços do modelo 2019.

A Ford Ranger 2020 conta com duas opções de motor diesel da família Duratorq, o 2.2 e o 3.2. Ela tem como versão de entrada a 2.2 XL com tração 4×4 e transmissão manual. Em seguida vem a intermediária 2.2 XLS, nas opções com tração 4×2 e transmissão automática ou 4×4 com transmissão manual ou automática. Já nas versões top a primeira é a 3.2 XLT, com 4×4 automática. E a topo, 3.2 Limited, também é 4×4 automática.

Outra vantagem da Ford Ranger é o menor custo de posse do segmento, considerando as revisões programadas e não programadas e peças de colisão. Ela tem ainda o seguro mais barato, com prêmio médio calculado em cerca 4% do valor do veículo, disponibilizado pelos Seguros Ford. A nova Ranger chega as concessionárias da marca, agora no inicio de julho. Confira abaixo os preços da nova Ranger 2020.

Versões:
– LTD 3.2 4X4 AT – R$ 188.990
– XLT 3.2 4X4 AT – R$ 176.420
– XLS 2.2 4X4 AT – R$ 154.610
– XLS 2.2 4X4 MT – R$ 147.520
– XLS 2.2 4X2 AT – R$ 128.250 – Versão de entrada que substitui a flex

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Silvio Porto

Silvio Porto é um jornalista que estreou na extinta Revista Afinal como repórter fotográfico, passou pelas Revistas Placar e Quatro Rodas onde conquistou prêmios importantes. Viajou pelo mundo cobrindo futebol, os principais salões do automóvel (Paris, Frankfurt, Detroit e São Paulo), além de Fórmula 1 e os lançamentos de carros e motos. Fez parte do quadro de jurados do Prêmio “Carro do Ano”, da Revista Auto Esporte e há oito anos é um dos jurados do Prêmio Imprensa Automotiva realizado pela Abiauto – Associação Brasileira da Imprensa Automotiva. Hoje é diretor e editor do Portal MotorCar (www.motorcar.com.br) e do Blog do Silvio Porto (www.silvioporto.com.br).